A energia representa-se pela letra maiúscula \(E\).

A palavra energia apenas foi utilizada a partir do séc. XIX, tendo sido utilizada pela primeira vez, tal como hoje a entendemos, por Thomas Young em 1807. Até essa data era usada a expressão latina "vis viva". Esta expressão, usada por Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716), designava a "força viva" que os sistemas teriam para realizar transformações.

A energia está na base de tudo o que nos rodeia. Apesar de não ser visível, os seus efeitos são-no, e é devido a eles que pode ser detetada (não vês a energia que vem do Sol mas sentes o teu corpo aquecer quando exposto a ela).

Na natureza a energia pode surgir de diferentes formas, mas é possível transformar um determinado tipo de energia noutro. Por exemplo, no tiro de uma arma, a energia química existente no explosivo é transformada em movimento (da bala), em som (da explosão) e em calor (demonstrado pelo aquecimento da arma). Ou seja, a energia pode ser transferida entre sistemas, que podem ocorrer sob a forma de trabalho ou calor (condução, convecção ou radiação).

O sistema que fornece energia é chamado fonte de energia e o sistema que recebe essa energia recetor de energia.

A fonte de energia cede uma quantidade de energia que é captada/recebida pelo recetor.

A energia total do universo é constante. A energia não se perde, apenas se transfere de um sistema/corpo para outro.

Unidades de medida de energia

A unidade SI da energia é o joule, J, em honra do cientista de nome James Prescott Joule.

Também é usual o uso da unidade caloria, cal.

Conversão entre cal e joule: 1 cal = 4,186 J

E energia também pode ser contabilizada na unidade quilowatt-hora, kW h, que é a unidade usada no fornecimento de energia elétrica.

1 kW h = 1 × 103 W × 1 h = 1 × 103 W × 3 600 s = 3 600 000 J = 3,6 × 106 J

 

Bibliografia:
J. Vasconcelos, "A Energia em Portugal", Fundação Francisco Manuel dos Santos, Lisboa, 2019.